tratamento de canal dói

Tratamento de canal dói? Descubra aqui e sane as suas dúvidas

O tratamento de canal é uma das principais demandas de um dentista. Isso já que esse procedimento é um dos principais capazes de tratar a cárie dentária.

Uma das dúvidas mais recorrentes dos pacientes no consultório é se o canal dentário, como também é chamado, dói.

Buscando sanar essa e demais dúvidas sobre o procedimento, fizemos este artigo com todas as informações que você precisa saber sobre ele:

Tratamento de canal dói?

Ao contrário do que muitos pensam a respeito do tratamento de canal, por conta da anestesia, o procedimento não dói.

E considerando os sintomas da cárie, que envolvem além da cavidade escura, dor de dente e sensibilidade, tratando a raiz desses problemas, o canal dentário atua não promovendo, mas sim aliviando, tratando e prevenindo a dor.

Após o procedimento, o cirurgião dentista pode fazer ainda a prescrição de analgésicos, para um pós-operatório ainda mais tranquilo. Em meio a recuperação do canal, caso a dor seja sentida e persista por mais de 2 semanas, ou caso a dor passe e volte, não deixe de recorrer imediatamente ao dentista para que seja feita a avaliação do caso.

Diante da queda do material restaurador, é imprescindível recorrer ao dentista, para que o problema seja solucionado, normalmente pela nova colagem do material solto.

Sobre as dores pós-tratamento, pode-se levar em conta suas principais causas: infecção dos tecidos periodontais e ósseos, canal secundário (dentista não visualiza bem esse canal e acaba por fechar o dente sem efetivar o tratamento), dente com fratura ou trinca que não foi percebido pelo dentista, instrumento quebrado dentro do canal, material obturador atingindo tecidos periodontais (desconforto dura uma semana) e restaurações mal feitas.

O que é o tratamento de canal?

O tratamento de canal é um dos procedimentos promovidos pela endodontia, especialidade odontológica que trata lesões e doenças que comprometem a polpa e a raiz do dente. Por ser o principal tratamento com este fim, o tratamento de canal também pode ser conhecido como tratamento endodôntico.

Por meio do canal, é feita a remoção da polpa dentária, um pequeno tecido nervoso que se assemelha a um pequeno fio na estrutura interna do dente.

Uma vez que é feita a remoção da polpa comprometida, infeccionada ou morta, o dentista realiza a limpeza do espaço, que é preenchido com um material restaurador, selando o canal radicular e evitando complicações pela exposição da região interna do dente e procedimentos mais complexos, como a extração dental, e devolvendo o seu valor estético e funcional.

A realização do canal vai ser indicada diante de uma cárie em processo avançado e que já tenha comprometido a polpa dentária. O processo tende a ser realizado em casos de cárie avançada, e que já tenha causado prejuízos na polpa dentária, casos de traumas e infecções.

Dessa forma, por meio do procedimento, é feita a limpeza, preparação e preenchimento da região.

Paciente sendo submetido a aplicação de anestesia ao redor do dente em que será feito o canal dentário

Como é feito o tratamento de canal?

O medo sentido pelas pessoas quando se trata do tratamento de canal, normalmente se deve pela falta de conhecimento quanto a como funciona o tratamento.

Dessa forma, buscando desmistificar o procedimento, separamos um passo a passo para que você saiba o que lhe espera no consultório do dentista.

1. Aplicação de anestesia

O primeiro passo para o procedimento é a aplicação da anestesia, que causa um mínimo incômodo na aplicação e é essencial para que o paciente se sinta confortável e não sinta nenhum tipo de desconforto ou dor durante o procedimento.

2. Isolamento do dente e abertura do canal

Para que o tratamento não acabe por comprometer a integridade de outro dente, em primeiro momento, é feito o isolamento do dente que irá passar pelo tratamento de canal.

Por meio do isolamento, o trabalho do dentista é facilitado, e para isso ele utiliza um lençol borracha para isolar o dente que irá ser submetido ao canal dos demais.

Com o isolamento, se previne que o paciente engula algum material em meio ao processo, ou ainda que não caia nada na boca dentro do dente que será exposta.

Em seguida, para que se tenha acesso ao interior do dente, em que está o canal, o famoso “motorzinho” entrará em ação, conhecido na odontologia como caneta de alta rotação, mas não haverá nenhum tipo de dor por conta do efeito anestésico.

3. Retirada da polpa morta ou infeccionada

Uma vez que feito o acesso ao canal do dente, o cirurgião dentista poderá fazer livremente a remoção da polpa morta ou infeccionada. Os canais são aperfeiçoados, aumentados e preparados para que possa ser feito o preenchimento.

Com a conclusão dessas fases, o dentista irá realizar uma avaliação final, analisando se será necessário ou não de mais uma consulta para a finalização do tratamento.

Uma vez que o canal está bem comprometido pela cárie, ou em casos em que o canal continua úmido mesmo após a secagem, considerando que o corpo persiste drenando pus ou alguma secreção.

Dessa forma, se coloca uma restauração provisória no local e uma medicação na cavidade ainda aberta, que terá o objetivo tanto de proteção, quanto de eliminação das bactérias que ficaram mesmo com a limpeza da região.

4. Material restaurador

Por fim, após o dentista optar ou não por uma restauração provisória, analisando as necessidades do caso. As restaurações provisórias farão a proteção e consolidaram a estética e as funções do dente antes que seja feita a colocação da prótese definitiva.

É essencial que haja o preenchimento de onde se encontra a polpa, para que não haja o risco de uma nova proliferação de bactérias. Dessa forma, se é usado um tipo de material chamado de Guta percha, composto de látex e que possui um formato cônico.

O dentista irá escolher o cone que melhor se adapta ao canal específico, que será “colado”, com um tipo de cimento utilizado na odontologia, compatível com o organismo humano.

Feito isso, o dente estará pronto para receber a restauração definitiva da coroa (parte de cima do dente).

O que fazer após o tratamento de canal?

Mesmo que o tratamento de canal não seja um tratamento considerado complexo, se trata de uma cirurgia odontológica. Por conta disso, é essencial que o paciente siga todos os cuidados passados pelo dentista para que não haja nenhum tipo de complicação e para que se tenha uma recuperação tranquila.

Com isso, confira os principais cuidados necessários após o canal dentário:

  • Evitar o consumo de alimentos duros – especialmente mastigar acima do dente que foi tratado, evitando que o curativo ou restauração se solte;
  • Evitar alimentos muito quentes ou gelados – considerando a sensibilidade do dente restaurado nos primeiros dias;
  • Mantenha uma rotina de higiene bucal completa e eficiente – uma vez que é necessário prevenir a integridade e saúde não só do dente tratado, mas de toda a dentição, evitando uma nova necessidade de ser feito o procedimento;
  • Tome o cuidado de fazer uma escovação mais leve no dente em que foi feito o canal;
  • Mantenha as visitas ao dentista regulares;
  • Não deixe de seguir as demais orientações passadas pelo dentista.

LEIA TAMBÉM: Confira aqui quanto custa um tratamento de canal!

Dentista conversando com paciente em consultório odontológico

Visitas regulares ao dentista

As visitas regulares garantem ao paciente a oportunidade de realizar consultas odontológicas e oferecem ao profissional a possibilidade de acompanhar a saúde bucal dos pacientes.

Além disso, através das visitas regulares é possível estabelecer um histórico odontológico, o que garante que o dentista possa ter acesso a todos os procedimentos odontológicos que você já realizou.

Por meio delas também é possível identificar e tratar problemas como a cárie e o tártaro antes que se tornem complicações graves.

Isso só é possível por meio do tratamento precoce, que garante que eles não evoluam ameaçando a saúde de toda a boca.

Por meio delas também é possível realizar tratamentos rotineiros, como a profilaxia dental, que é a limpeza profissional dos dentes e deve ser realizada de 6 em 6 meses.

A profilaxia também garante a possibilidade de realizar a raspagem de tártaro e remoção da placa bacteriana.

Logo, as visitas periódicas também tornam possível o aconselhamento a respeito de bons hábitos de higiene bucal, fazendo assim com que o paciente melhore seus cuidados diários.

Uma visita a uma clínica odontológica OralDents não visa só um sorriso mais bonito, mas também uma melhor qualidade de vida.

O seu sorriso é nossa prioridade! Confie na OralDents!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *