Mulher sentada em sofá com mão ao lado da face, fazendo careta por conta de dor do dente queiro nascendo

Dente queiro: saiba tudo sobre o dente do siso!

Os dentes queiros, como são chamados os dentes sisos e os terceiros molares, são os últimos dentes que nascem na arcada dentária, nascendo justamente do lado aos fundos dela.

O seu nascimento ocorre entre os 15 e 25 anos e requer o acompanhamento do dentista, uma vez que em casos de fortes dores e prejuízos da função da boca, é capaz de requerer a sua extração.

Saiba aqui tudo sobre o dente queiro e saiba quando é necessário removê-lo:

Dente queiro, o que é?

Ao todo, possuímos 4 dentes queiros, sendo eles 2 superiores e 2 inferiores, que nascem atrás de todos os dentes da arcada dentária.

Uma vez que nasce mais tarde, da adolescência para juventude, os terceiros molares também são chamados popularmente de “dente do juízo”, por conta da maturidade adquirida até a transição para a vida adulta.

A partir dos 15, 16 ou 17 anos, na percepção do nascimento de algum desses dentes na boca, é necessário recorrer ao acompanhamento no consultório odontológico. O mesmo vai para casos em que aos 17 anos de idade, em que os dentes sisos ainda não tiverem dado sinais de erupção.

Casos de extração do dente são feitos por um cirurgião-dentista bucomaxilofacial em um ambiente cirúrgico, com o paciente sendo encaminhado pelo seu dentista a partir da percepção da necessidade e sua identificação por exames de imagem (raio-X odontológico).

A ausência ou presença do dente siso não costuma causar prejuízos para a mastigação ou fala, uma vez que não mastigamos alimentos tão resistentes quanto na pré-história, além da variação de tamanho da mandíbula do homem moderno e a melhora da saúde bucal e melhoria da qualidade da higienização da arcada dentária.

Quanto à medicação envolvendo sintomas associados ao nascimento do siso, vale considerar que só deve ser passada por médicos e cirurgiões-dentistas, que são os profissionais responsáveis para tal.

A ausência do nascimento do dente siso na boca é advinda da agenesia dos sisos, em que há a ausência da formação do gérmen que origina o dente, fazendo com que eles não existam na arcada dentária.

Por que extrair o dente queiro?

Os terceiros molares nascem de forma aleatória na arcada dentária, normalmente não encontrando espaço suficiente para sua erupção, sendo capaz de proporcionar uma série de problemas à saúde bucal. É por conta desses prejuízos que a extração desses dentes é considerada.

Vale citar ainda que o dente do siso também pode acabar ficando preso, encaixado no osso, além de casos em que sua estrutura simplesmente não sai. Por conta disso, considerando ainda a falta de espaço na arcada dentária, os demais dentes da arcada dentária podem acabar por se sobressaírem uns sobre os outros e se deslocarem de suas posições.

Por conta disso, é possível que o nascimento dos dentes queiros acabe por prejudicar a realização da escovação dos dentes, favorecendo o desenvolvimento de cáries dentárias, gengivite, periodontite e outros problemas.

Podem-se haver casos em que o dente acabe por se erupcionar parcialmente, impulsionando um quadro infeccioso inflamatório (pericoronarite). Esse quadro pode proporcionar muita dor, e outros sintomas como o inchaço e irritação da gengiva ao redor, mau hálito e inchaço facial.

Em casos mais avançados, esses sintomas podem ser acompanhados de fortes dores no rosto e enxaquecas, por conta da compressão dos feixes nervosos, o que depende da sua posição dentro dos ossos maxilares.

Vale ressaltar que os dentes queiros não precisam ser extraídos quando nascerem totalmente, quando funcionais na arcada, na ausência de dor e quando se consegue manter uma boa higiene bucal e assim, a região oral livre de doenças. Casos que a dor do dente e a inflamação da gengiva acabe com o tempo também não requerem a abordagem cirúrgica.

Para uma higiene ainda mais eficiente, uma vez mantendo os sisos na boca, não deixe de lado as avaliações, limpezas e radiografias periódicas para uma ação preventiva.

Perfil de cirurgião-denstista fazendo a extração de dente queiro inflamado

Como é a extração do dente queiro?

As principais motivações para a extração do dente siso são a sua inclusão, falta de espaço e suas consequências. Por meio dessas motivações, é possível que haja a reabsorção das raízes dos dentes adjacentes, além dos sintomas que já conhecemos.

Também chamada de exodontia do siso, a complicação do procedimento vai depender do grau de impactação, da posição do dente de siso na arcada e em sua forma e tamanho de suas raízes.

A cirurgia não costuma doer, já que é efetuada sob anestesia local, que é aplicada antes de toda a operação começar. Além da anestesia, hoje em dia existem técnicas avançadas que atuam diminuindo o aparecimento de riscos e complicações da cirurgia.

Entre os riscos que não devem ser ignorados, podem ser citados: lesão do nervo dentário, parestesia (formigamento ou dormência), inchaço gengival e a sensação de anestesia menos acentuada e até mesmo a paralisia da região comprometida. Em situações raras, pode-se ocorrer a fratura da mandíbula (por força excessiva e/ou osteotomia) e alveolite (infecção do alvéolo).

Cuidados do pós-operatório

A extração do dente queiro, assim como qualquer procedimento cirúrgico, requer cuidados a serem tomados em seu pós-operatório, buscando um processo de cicatrização mais tranquilo.

No entanto, a recuperação da cirurgia tende a ser rápida e não requer dias de repouso.

Entre os cuidados a serem considerados estão:

  • Evitar alimentos duros ou muito quentes nos primeiros dias – dando preferência a alimentos mais líquidos, pastosos, frios ou em temperatura ambiente.
  • Evitar ingerir álcool para que não haja interferência na atuação dos medicamentos.
  • Tomar corretamente a medicação prescrita pelo cirurgião-dentista;
  • Evitar ou fazer abstinência do hábito de fumar.
  • Focar ainda mais nos bons hábitos de higiene bucal – contando com a escovação feita de 2 a 3 vezes ao dia por uma escova com cerdas macias e passagem do fio dental diária.
  • No dia após a cirurgia o ideal é que seja utilizada uma escova pós cirúrgica no local da extração. O molhamento com enxaguatórios a base de clorexidina e a água oxigenada 10 volumes também é uma opção (não realize bochechos, sucção ou cuspes intensos).
  • Uso de uma compressa de gelo do lado externo da face por 15 minutos e várias vezes ao dia nos primeiros 2 e 3 dias depois da extração.
  • Fique em repouso e evite esforços principalmente nas primeiras 24 horas – caso for permanecer deitado(a), mantenha sua cabeça mais elevada do que o corpo para que não haja o aumento da pressão sanguínea no local operado.
  • Evite se expor ao sol e calor intenso nos primeiros dias.
  • Fique atento ao desenvolvimento de inflamações no período de recuperação e recorra a seu cirurgião-dentista se necessário e em caso de sintomas como dor intensa, pus, febre, dor intensa e até mesmo infecção.
  • Não deixe de ir em sua consulta de retorno solicitada pelo cirurgião-dentista, onde ele irá avaliar se tudo ocorreu corretamente e se a saúde bucal se encontra estável.

Visitas regulares ao dentista

As visitas regulares garantem ao paciente a oportunidade de realizar consultas odontológicas e oferecem ao profissional a possibilidade de acompanhar a sua saúde bucal e prevenir problemas, como o dente queiro incluso e outros.

Além disso, por meio das visitas regulares é possível estabelecer um histórico odontológico, o que garante que o dentista tenha acesso aos procedimentos odontológicos já realizados e a possíveis tratamentos para garantir a sua saúde bucal.

A visita a uma clínica odontológica OralDents não visa só um sorriso mais bonito, mas também uma melhor qualidade de vida.

O seu sorriso é nossa prioridade! Confie na OralDents!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *